Calendar

ago
23
qui
O Jogo do Folclore @Teatro Polytheama
ago 23@09:30

No mês do Folclore, traremos ao teatro Polytheama a peça da Cia Evoé de teatro de São Paulo, “O JOGO DO FOLCLORE”. Com musicas ao vivo cantadas pelos atores, danças, palhaços e brincadeiras, a peça conta lendas e mitos de várias região do Brasil. 

Dia 23 de Agosto – 9h30 e 14h30 

SOBRE A PEÇA:  Após passarem pelo temível leão Tibério, que guardava a sala secreta do dono do circo, três palhaços encontram uma caixa com bonecos, acompanhada de um velho manuscrito no qual esta escrito o nome de uma brincadeira: “O Jogo do Folclore”. Essa brincadeira os leva a contar lendas e mitos, utilizando os bonecos e muita imaginação.

O Jogo do Folclore é um musical infantil, que utiliza a linguagem do palhaço popular e do teatro de bonecos para narrar estórias do folclore brasileiro. A ambientação acontece num circo, no qual a narração se dá não somente pela oralidade, mas também pelas pantomimas dos palhaços, pelas músicas que conferem uma função épica e pelas danças, que traz as particularidades das várias regiões brasileiras.

Percebendo a distancia atual que se encontra o universo infantil da simplicidade das brincadeiras de roda, narração de estórias e jogos coletivos e acreditando na importância dessas manifestações no contexto da criança, criamos o espetáculo e pesquisamos com cuidado os temas e eixos educacionais e artísticos para aproveitar da melhor forma as tradições, as cores, sons e formas de um Brasil rico e pouco difundido.

As MÚSICAS são executadas ao vivo, por um músico, um percussionista e cantadas pelos atores.

 

PROPOSTA PEDAGÓGICA

Apesar da ciência e tecnologia estarem cada vez mais presentes no nosso dia-a-dia, o estudo do folclore é fundamental para caracterizar a formação cultural de um povo e de seu passado, além de observar a cultura popular presente, pois o fato folclórico modifica-se de acordo com sua época.

O folclore liga-se a vários estudos e áreas: na música, artes cênicas, plásticas e literatura, dá o caráter nacionalista; na educação física por meio de jogos e danças, proporciona ritmo, agilidade e sociabilidade; na história auxilia por meio do conhecimento popular, dando significação aos fatos; na geografia determina que o clima e fatores físicos de uma região influenciam na formação cultural de um povo; e em diversas outras áreas, serve como complemento e material de pesquisa.

Dessa forma, a proposta em O Jogo do Folclore é transmitir o Folclore Brasileiro por meio do teatro, que tem alto teor pedagógico e pode auxiliar nas mais diversas áreas e estudos com seu caráter psicológico, social e prático, além de estimular a criança na melhor compreensão de sua comunidade, a partir de ensinamentos de inestimável valor que a peça apresenta.

O espetáculo O Jogo do Folclore, objetiva contribuir para a formação cultural e patriótica de nossas crianças.

FICHA TÉCNICA:

  • Texto e Direção: Rodrigo Ximarelli
  • Direção Musical: Daniel Lellis Siqueira
  • Percussão: Hamilton Ferreira
  • Elenco: Douglas Lima, Lucas Barbugiani e Shanny Segade
  • Coro de Palhaços: Lucas Pedroso, Luana Tonetti e Dimas Stecca
  • Faixa etária indicada: 2 a 11 anos
  • Duração aproximada: 60 minutos

 

INFORMAÇÕES

Local: Teatro Polytheama – Jundiaí/SP

Data: 23 de agosto

Horário: 9H30 e 14h30

Valores: R$ 40,00 (inteira) / R$ 20,00 (meia entrada) / R$ 15,00 (pacote escolar)

O Jogo do Folclore @Teatro Polytheama
ago 23@14:30

No mês do Folclore, traremos ao teatro Polytheama a peça da Cia Evoé de teatro de São Paulo, “O JOGO DO FOLCLORE”. Com musicas ao vivo cantadas pelos atores, danças, palhaços e brincadeiras, a peça conta lendas e mitos de várias região do Brasil. 

Dia 23 de Agosto – 9h30 e 14h30 

SOBRE A PEÇA:  Após passarem pelo temível leão Tibério, que guardava a sala secreta do dono do circo, três palhaços encontram uma caixa com bonecos, acompanhada de um velho manuscrito no qual esta escrito o nome de uma brincadeira: “O Jogo do Folclore”. Essa brincadeira os leva a contar lendas e mitos, utilizando os bonecos e muita imaginação.

O Jogo do Folclore é um musical infantil, que utiliza a linguagem do palhaço popular e do teatro de bonecos para narrar estórias do folclore brasileiro. A ambientação acontece num circo, no qual a narração se dá não somente pela oralidade, mas também pelas pantomimas dos palhaços, pelas músicas que conferem uma função épica e pelas danças, que traz as particularidades das várias regiões brasileiras.

Percebendo a distancia atual que se encontra o universo infantil da simplicidade das brincadeiras de roda, narração de estórias e jogos coletivos e acreditando na importância dessas manifestações no contexto da criança, criamos o espetáculo e pesquisamos com cuidado os temas e eixos educacionais e artísticos para aproveitar da melhor forma as tradições, as cores, sons e formas de um Brasil rico e pouco difundido.

As MÚSICAS são executadas ao vivo, por um músico, um percussionista e cantadas pelos atores.

 

PROPOSTA PEDAGÓGICA

Apesar da ciência e tecnologia estarem cada vez mais presentes no nosso dia-a-dia, o estudo do folclore é fundamental para caracterizar a formação cultural de um povo e de seu passado, além de observar a cultura popular presente, pois o fato folclórico modifica-se de acordo com sua época.

O folclore liga-se a vários estudos e áreas: na música, artes cênicas, plásticas e literatura, dá o caráter nacionalista; na educação física por meio de jogos e danças, proporciona ritmo, agilidade e sociabilidade; na história auxilia por meio do conhecimento popular, dando significação aos fatos; na geografia determina que o clima e fatores físicos de uma região influenciam na formação cultural de um povo; e em diversas outras áreas, serve como complemento e material de pesquisa.

Dessa forma, a proposta em O Jogo do Folclore é transmitir o Folclore Brasileiro por meio do teatro, que tem alto teor pedagógico e pode auxiliar nas mais diversas áreas e estudos com seu caráter psicológico, social e prático, além de estimular a criança na melhor compreensão de sua comunidade, a partir de ensinamentos de inestimável valor que a peça apresenta.

O espetáculo O Jogo do Folclore, objetiva contribuir para a formação cultural e patriótica de nossas crianças.

FICHA TÉCNICA:

  • Texto e Direção: Rodrigo Ximarelli
  • Direção Musical: Daniel Lellis Siqueira
  • Percussão: Hamilton Ferreira
  • Elenco: Douglas Lima, Lucas Barbugiani e Shanny Segade
  • Coro de Palhaços: Lucas Pedroso, Luana Tonetti e Dimas Stecca
  • Faixa etária indicada: 2 a 11 anos
  • Duração aproximada: 60 minutos

 

INFORMAÇÕES

Local: Teatro Polytheama – Jundiaí/SP

Data: 23 de agosto

Horário: 9H30 e 14h30

Valores: R$ 40,00 (inteira) / R$ 20,00 (meia entrada) / R$ 15,00 (pacote escolar)

set
12
qua
A Relíquia @Teatro Polytheama
set 12@09:30

LEITURA FUVEST 2019 – INÉDITA NO TEATRO POLYTHEAMA

Rick Von Dentz, mesmo diretor de Memórias Póstumas de Brás Cubas e Dom Casmurro, adaptou para os palcos do teatro mais um grande clássico literário. Eça de Queiroz certamente é uma tendência em grandes vestibulares, sendo o autor um dos grandes escritores do realismo da literatura portuguesa. Grande questionador dos valores provincianos e imperiais da Lisboa imperialista.

Sobre a peça: A trama se desenvolve ao redor do conflito latente entre duas personalidades. A primeira, a poderosa Dona Maria do Patrocínio, também chamada Dona Patrocínio das Neves, Tia Patrocínio ou simplesmente Titi. Excessiva na riqueza e na entrega aos ritos religiosos, chega a ser, nas linhas de Eça de Queiroz, uma caricatura das devotas católicas das coisas da igreja. Do outro lado, seu sobrinho Teodorico Raposo, o Raposão, narrador de suas próprias aventuras,órfão logo cedo, entregue aos cuidados da tia, em Lisboa.

Release:Teodorico Raposo é o narrador, que se apresenta ao leitor explicando o desejo de explicar suas memórias, mostrando a vida nua e crua de um Português do século 19. Teodorico tem múltiplas facetas, tendo um lado devasso que é o lado contemporâneo do português do seculo 19 e o lado beato. Neto de um padre, perde a mãe muito cedo e é criado pelo pai. Logo morre o pai e Teodoro aos 7 anos é criado por  dona Patrocínio da Neves, tia Titi. Dona Patrocínio é uma mulher muito rica, severa e beata e doa grande parte de seu dinheiro para a igreja. Teodorico se deslumbra com o oratório maravilhoso de Tia Titi  e percebe rapidamente que tem que obedecer as regras religiosas da tia Titi. Aos 9 anos Teodorico vai para o internato e conhece Crispim, personagem importante na obra que será grande amigo de Teodorico. Quando adulto seu caráter é modelado tendo duas facetas: igreja e festas. Vai para Coimbra estudar direito mesclando estudo e muita farra.Teodorico pouco estuda e acaba se tornando um blefador da lei. Nas férias volta para agradar a tia Titi, sendo um servo de sua tia já de olho na herança. É quando conhece Adélia, seu grande amor. Tia Titi não pode saber, pois sua ideia para Teodoro é que ele viva como beato, sendo exclusivamente um servo de Deus. Ao voltar definitivamente a Lisboa, Teodoro percebe que será necessário ter um comportamento moral radicalizado, pois visando a herança de sua tia ele tem que ir a igreja frequentemente, rezar, ter um suposto comportamento se tornando um grande beato. Com toda dedicação a Deus, Adélia se cansa e termina com Teodorico. Ao se sentir extremamente desiludido e infeliz,  sua tia Titi o convence a ir a Palestina, a Terra Santa. Antes de ir ele promete trazer a tia uma Relíquia (o que remete ao título da obra). Em Alexandria se apaixona por uma inglesa Mary e tem um caso ardente com ela. Mary deixa um presente pra ele como lembrança. Ao seguir a terra Santa não gosta do local achando o local tedioso.

 

INFORMAÇÕES

  • Data: 12 de Setembro
  • Local: Teatro Polytheama
  • Horários: 9h30 e 20h00
  • Valores: R$ 50,00 (inteira) / R$ 25,00 (meia entrada) / R$ 18,00 (ingressos antecipados/pacote escolar)*

Ingressos antecipados até a véspera do evento com valor promocional de R$ 18,00 – Grupo de alunos com pacote escolar também pagam R$ 18,00 mediante reserva antecipada com a produção.

A Relíquia @Teatro Polytheama
set 12@20:00

LEITURA FUVEST 2019 – INÉDITA NO TEATRO POLYTHEAMA

Rick Von Dentz, mesmo diretor de Memórias Póstumas de Brás Cubas e Dom Casmurro, adaptou para os palcos do teatro mais um grande clássico literário. Eça de Queiroz certamente é uma tendência em grandes vestibulares, sendo o autor um dos grandes escritores do realismo da literatura portuguesa. Grande questionador dos valores provincianos e imperiais da Lisboa imperialista.

Sobre a peça: A trama se desenvolve ao redor do conflito latente entre duas personalidades. A primeira, a poderosa Dona Maria do Patrocínio, também chamada Dona Patrocínio das Neves, Tia Patrocínio ou simplesmente Titi. Excessiva na riqueza e na entrega aos ritos religiosos, chega a ser, nas linhas de Eça de Queiroz, uma caricatura das devotas católicas das coisas da igreja. Do outro lado, seu sobrinho Teodorico Raposo, o Raposão, narrador de suas próprias aventuras,órfão logo cedo, entregue aos cuidados da tia, em Lisboa.

Release:Teodorico Raposo é o narrador, que se apresenta ao leitor explicando o desejo de explicar suas memórias, mostrando a vida nua e crua de um Português do século 19. Teodorico tem múltiplas facetas, tendo um lado devasso que é o lado contemporâneo do português do seculo 19 e o lado beato. Neto de um padre, perde a mãe muito cedo e é criado pelo pai. Logo morre o pai e Teodoro aos 7 anos é criado por  dona Patrocínio da Neves, tia Titi. Dona Patrocínio é uma mulher muito rica, severa e beata e doa grande parte de seu dinheiro para a igreja. Teodorico se deslumbra com o oratório maravilhoso de Tia Titi  e percebe rapidamente que tem que obedecer as regras religiosas da tia Titi. Aos 9 anos Teodorico vai para o internato e conhece Crispim, personagem importante na obra que será grande amigo de Teodorico. Quando adulto seu caráter é modelado tendo duas facetas: igreja e festas. Vai para Coimbra estudar direito mesclando estudo e muita farra.Teodorico pouco estuda e acaba se tornando um blefador da lei. Nas férias volta para agradar a tia Titi, sendo um servo de sua tia já de olho na herança. É quando conhece Adélia, seu grande amor. Tia Titi não pode saber, pois sua ideia para Teodoro é que ele viva como beato, sendo exclusivamente um servo de Deus. Ao voltar definitivamente a Lisboa, Teodoro percebe que será necessário ter um comportamento moral radicalizado, pois visando a herança de sua tia ele tem que ir a igreja frequentemente, rezar, ter um suposto comportamento se tornando um grande beato. Com toda dedicação a Deus, Adélia se cansa e termina com Teodorico. Ao se sentir extremamente desiludido e infeliz,  sua tia Titi o convence a ir a Palestina, a Terra Santa. Antes de ir ele promete trazer a tia uma Relíquia (o que remete ao título da obra). Em Alexandria se apaixona por uma inglesa Mary e tem um caso ardente com ela. Mary deixa um presente pra ele como lembrança. Ao seguir a terra Santa não gosta do local achando o local tedioso.

 

INFORMAÇÕES

  • Data: 12 de Setembro
  • Local: Teatro Polytheama
  • Horários: 9h30 e 20h00
  • Valores: R$ 50,00 (inteira) / R$ 25,00 (meia entrada) / R$ 18,00 (ingressos antecipados/pacote escolar)*

Ingressos antecipados até a véspera do evento com valor promocional de R$ 18,00 – Grupo de alunos com pacote escolar também pagam R$ 18,00 mediante reserva antecipada com a produção.

set
25
ter
Dom Casmurro @Teatro Polytheama
set 25@09:30

DOM CASMURRO – TEATRO POLYTHEAMA – 9h30 e 20h00

A Cia Realce traz de volta a Jundiaí a peça que é baseada em um dos maiores sucessos do escritor Machado de Assis: “DOM CASMURRO”.Esta adaptação de Rick Von Dentz, responsável também pela direção, é uma montagem bastante fiel a um dos mais consagrados romances da literatura brasileira. Numa linha dinâmica e objetiva, enfoca com sutileza todos os conflitos da envolvente história de amor de Bentinho e Capitu, ocorrida no Rio de Janeiro no final do século XIX. A Cia realce é a mesma de “Memórias de Um Sargento de Milícias” e “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, ambas peças também com direção de Rick Von Dentz.

Comentários sobre a obra e o autor: Dom Casmurro pode ser considerado como uma análise profunda do ciúme. O protagonista Bentinho é também o narrador, e é ele quem informa ao leitor que Capitu o traía. Mas só se conhece a sua versão, e o adultério da jovem fica pairando no ar, mais uma dúvida machadiana. Na verdade pouco importa se a traição existiu ou se foi imaginação de Bentinho. O importante como dizem alguns estudiosos, é que a vida do herói se modifica profundamente, após a convicção de ter sido traído.

 

FICHA TÉCNICA

  • Adaptação e direção: Rick Von Dentz
  • Elenco: Augusto Valente, Rogério Oliveira, Thaís Carvalho, Lia Campos e Du Kammargo.
  • Produção geral: Iraci Batista

INFORMAÇÕES

  • Data: 25 de Setembro
  • Local: Teatro Polytheama
  • Horários: 9h30 e 20h00
  • Valores: R$ 50,00 (inteira) / R$ 25,00 (meia entrada) / R$ 18,00 (ingressos antecipados/pacote escolar)*

Ingressos antecipados até a véspera do evento com valor promocional de R$ 18,00 – Grupo de alunos com pacote escolar também pagam R$ 18,00 mediante reserva antecipada com a produção.

A Cigarra e a Formiga @Teatro Polytheama
set 25@14:30

A CIGARRA E A FORMIGA – NAS GARRAS DO SENHOR GIGANTE

Mais uma vez em Jundiai, a Cia Realce traz aos palcos do Teatro Polytheama a adaptação do clássico infantil A Cigarra e a Formiga. Esta adaptação da fábula de La Fontaine traz um terceiro personagem, um homem, tido como um gigante pelos bichinhos, por ser perigoso e ameaçador para suas espécies. A consagrada provocação entre a cigarra e a formiga, uma porque canta o tempo todo e a outra porque só quer saber de trabalhar, acontece com mais humor e agilidade em cena, graças a interferência do gigante que as assusta o tempo todo, mas que também se comove com o cantar da cigarra e sofre com as ferroadas de Dona Formiga. No final, a solidariedade dos bichinhos, faz com que a formiga perdoe a cigarra e lhe de abrigo nos dias frios, levando-a a confessar sua admiração pelo seu cantar, e a cigarra por sua vez, não deixa de reconhecer os méritos de quem tanto trabalha, chegando a arriscar sua vida, quando se põe a cantar para distrair o gigante que quer acabar com o formigueiro.

PROPOSTA DE DIREÇÃO:
A idéia foi de mostrar uma formiga decisiva e convicta da importância do trabalho, sem no entanto torná-la enfadonha ou má. A caracterização caipira acaba por identificá-la com o trabalhador rural, ressaltando o sentido ecológico do texto, no tocante a disputa do espaço da terra pelos homens e animais. Para a cigarra, seu personagem presta uma homenagem aos artistas em geral, que encantam com sua arte, mas são incompreendidos na maioria das vezes.

FICHA TÉCNICA:

  • Adaptação e direção: Iraci Batista
  • Trilha sonora: Luiz Martins e Clomildo Suete
  • Elenco: Gesilda Mendes, Paula Lobo e Augusto Valente
  • Duração: 50 minutos
  • Faixa etária indicativa: crianças de 02 a 10 anos

 

INFORMAÇÕES

  • Local: Teatro Polytheama – Jundiaí/SP
  • Data: 25 de setembro
  • Horário: 14h30
  • Valores: R$ 40,00 (inteira) / R$ 20,00 (meia entrada) / R$ 15,00 (ingressos antecipados/pacote escolar)*
Dom Casmurro @Teatro Polytheama
set 25@20:00

DOM CASMURRO – TEATRO POLYTHEAMA – 9h30 e 20h00

A Cia Realce traz de volta a Jundiaí a peça que é baseada em um dos maiores sucessos do escritor Machado de Assis: “DOM CASMURRO”.Esta adaptação de Rick Von Dentz, responsável também pela direção, é uma montagem bastante fiel a um dos mais consagrados romances da literatura brasileira. Numa linha dinâmica e objetiva, enfoca com sutileza todos os conflitos da envolvente história de amor de Bentinho e Capitu, ocorrida no Rio de Janeiro no final do século XIX. A Cia realce é a mesma de “Memórias de Um Sargento de Milícias” e “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, ambas peças também com direção de Rick Von Dentz.

Comentários sobre a obra e o autor: Dom Casmurro pode ser considerado como uma análise profunda do ciúme. O protagonista Bentinho é também o narrador, e é ele quem informa ao leitor que Capitu o traía. Mas só se conhece a sua versão, e o adultério da jovem fica pairando no ar, mais uma dúvida machadiana. Na verdade pouco importa se a traição existiu ou se foi imaginação de Bentinho. O importante como dizem alguns estudiosos, é que a vida do herói se modifica profundamente, após a convicção de ter sido traído.

 

FICHA TÉCNICA

  • Adaptação e direção: Rick Von Dentz
  • Elenco: Augusto Valente, Rogério Oliveira, Thaís Carvalho, Lia Campos e Du Kammargo.
  • Produção geral: Iraci Batista

INFORMAÇÕES

  • Data: 25 de Setembro
  • Local: Teatro Polytheama
  • Horários: 9h30 e 20h00
  • Valores: R$ 50,00 (inteira) / R$ 25,00 (meia entrada) / R$ 18,00 (ingressos antecipados/pacote escolar)*

Ingressos antecipados até a véspera do evento com valor promocional de R$ 18,00 – Grupo de alunos com pacote escolar também pagam R$ 18,00 mediante reserva antecipada com a produção.

Comments are closed.